SELIC - BC indica que taxa Selic ficará alta por um período prolongado

23 de junho de 2022
Poder 360

O BC (Banco Central) disse nesta 3ª feira (21.jun.2022) que a taxa básica, a Selic, ficará em território “significativamente contracionista” por um período de tempo mais prolongado do que o estimado anteriormente. A informação foi divulgada na ata do Copom (Comitê de Política Monetária). Eis a íntegra do documento (236 KB).

A Selic subiu para 13,25% ao ano na 4ª feira (15.jun.2022). Agora, os juros estão no maior patamar desde janeiro de 2017, quando estavam em 13,75%. O Copom indicou que poderá elevar a taxa básica para até 13,75% ao ano na próxima reunião, que será em 2 e 3 de agosto. Os juros reais –que descontam a inflação– do Brasil serão de 8,16% nos próximos 12 meses, segundo a Infinity Asset. Segundo a empresa, o Brasil está em 1º lugar no ranking mundial das maiores taxas cobradas.

A alta e a permanência da Selic em nível mais elevado tem como objetivo controlar a inflação. Os juros também sobem em outros países, como nos Estados Unidos. O Fed (Federal Reserve, o Banco Central norte-americano) subiu a taxa em 0,75 ponto percentual na 4ª feira (15.jun.2022), a maior alta desde novembro de 1994.

No Brasil, o Banco Central já disse que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) ficará acima da meta, de 3,5%, neste ano. Estima o índice com alta de 8,8% em 2022. Como a política monetária tem efeito defasado –ou seja, os reajustes têm efeito no médio prazo–, as novas altas da Selic devem ser sentidas com mais intensidade em 2023. Para o próximo ano, a autoridade monetária estima inflação de 4%, o que também é acima da meta de 3,25%.

Caso a inflação termine o ano acima de 5% (o teto da meta), o presidente do BC, Roberto Campos Neto, terá que enviar uma carta pública explicando o motivo do descumprimento. Segundo a lei que autorizou a autonomia do BC, é dever central da autoridade monetária assegurar o poder de compra da população.

Campos Neto já precisou dar explicações em 2021, quando a inflação chegou a 10,06%. No ano passado, a meta era de 3,75%. O presidente do BC justificou que o petróleo e a energia pressionaram o índice de preços. Leia aqui a íntegra.

O Banco Central disse nesta 3ª feira (21.jun) que prevê uma desaceleração na atividade econômica mais acentuada no mundo por causa da reversão dos estímulos monetários.

Compartilhe nas redes sociais
Facebook Twitter Linkedin
Voltar para a listagem de notícias

Vamos Conversar? Caso tenha alguma dúvida, crítica ou sugestão, entre em contato!

Entre em contato conosco para esclarecer suas dúvidas, solicitar suporte, resolver problemas ou dar sugestões. Veja todas as opções de contato disponíveis.

Preencha corretamente o nosso formulário de contato.

Av. Fábio Ferraz Bicudo, 1194 - Jd. Dona Lucilla

Indaiatuba / SP - CEP: 13331-494

Contato

(19) 3816-4010

Whatsapp

(19) 9.9904-5533

E-mail

contato@contalexcontabil.com.br

Sitecontabil © 2019 - 2022 | Todos os direitos reservados